17 de mai de 2013

Capítulo 2 - Os Temiha e a Operação dos Shinobis


O sol nasce na Vila Sonkei, a pequena Aisa ainda está dormindo quando:

- Aisa, acorde, está na hora do café da manhã.

- Mamãe, estou com sono.

- Não, pequena, levante-se, escove os dentes que o seu chá está na mesa, mais tarde vou ler para você o livro que sua avó lhe deu de presente.

- Mamãe, o papai já viajou de novo?

- Ainda não, mas ele vai voltar para o trabalho essa noite.

Aisa e sua mãe foram tomar o café da manhã, quando chegaram à mesa o pai de Aisa já havia acordado e aparentemente esperando as duas.

- Papai, bom dia!

Aisa e sua mãe se aproximaram do homem que estava com um olhar serio, então cada uma beijou um lado do rosto dele e logo ele fecha os olhos e abre um grande sorriso.

Depois da família de Aisa terminar o café da manhã seu pai diz que precisa ir ao encontro de algumas pessoas da Vila e sua mãe vai cuidar das plantações ao lado da casa enquanto Aisa senta-se na porta do quintal e abre o livro que sua avó lhe deu de aniversário, admira as figuras e tenta ler algumas palavras.

- Len-len-da-rios, lendários, ra-rérois – tentando ler com dificuldade a pequena Aisa.

- O certo é Heróis, Aisa – diz sua avó que havia acabado de chegar.

- Vovó Emi! O livro que você me deu é lindo! – Aisa corre e abraça as pernas de sua avó.

- Hahaha, que bom que gostou pequenina, depois do almoço irei continuar a te contar a história de ontem.

Mais tarde no mesmo dia todos haviam acabado de almoçar, Aisa e sua avó foram para a sala onde estava seu pai arrumando alguns papeis.

- Agora vou continuar a história de ontem Aisa, sente-se – diz sua avó.

- Tome cuidado com o que vai contar pra ela, mãe – fala o pai de Aisa.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Após a reunião o velho Ken chama Kurome para fora da casa.

- Espero que tenha um plano muito bom Kurome-dono, ainda estou muito preocupado com essa ideia de fuga – diz o velho Ken.

- Eu farei tudo para garantir a segurança de todos Ken-dono, como disse a todos, é uma promessa – fala Kurome.

- Bem, não foi para isso que chamei você aqui fora, Emi, venha aqui.

- Boa tarde Kurome-sama – diz a jovem Yamakawa Emi.

- Emi-dono, já faz um tempo que não conversamos – fala Kurome.

- Eu vou procurar algo decente para beber, não demore muito Emi – diz o velho Ken.

Muitas pessoas já sabiam que Emi estava prometida a se casar com Kurome e quanto mais problemas apareciam mais eles adiavam o casamento, Emi e Kurome se conheciam desde crianças, seus Clãs sempre foram muito unidos, mas esta seria a primeira vez que uma união entre os dois Clãs seria feita.

- Eu estou muito insegura quanto a essa fuga Kurome-sama.

- Todos estão com o mesmo sentimento Emi-dono, mas eu prometo a você que quando estivermos bem longe de todo esse caos que essa guerra criou eu me casarei com você e teremos muitos dias felizes.

- Kurome-sama – Emi abraça Kurome e lacrimeja.

Dois dias depois da reunião entre os Chefes dos Clãs todos estavam nervosos, mas preparados, era o dia da fuga. O que realmente poderia levar a fuga ao desastre eram os soldados do Shogun, eles eram a policia armada, bem treinados e infelizmente pouco piedosos, pois seguiam cegamente às ordens que lhes davam.

O plano estava decidido, a Operação dos Shinobis começaria algumas horas após o pôr do sol. De cada Clã, um Shinobi entre os mais habilidosos foi escolhido, Yamakawa Yokaze, Nishimoto Shirou e Tanaka Hayane.

Yokaze
Yokaze subiu para um local bastante alto para ter a visão do caminho da fuga. Nos dias anteriores ele passou varias horas observando e estudando todos os caminhos possiveis, caso necessário iria informar sobre qualquer problema. Hayane ficou junto a Kurome em um dos dois caminhos que levavam ao destino final, o mar. Shirou ficou com um grupo de pessoas, com responsabilidade de proteger a todos, eles caminhariam por outra estrada um pouco longe de onde Kurome estava.

A Operação já estava iniciada, Yokaze olhava para a praia sob a luz da lua poucos guardas estavam ali, acima do mar havia uma densa neblina, indiferente e misteriosa.

Todos estavam se movendo. Por enquanto tudo estava indo bem, estavam chegando à metade do caminho em direção ao mar. Os dois grupos eram compostos de aproximadamente 50 pessoas, crianças, adultos e os poucos idosos que concordaram em fugir, não carregavam muitas coisas. O que pudesse atrapalhar seria deixado pelo caminho.

De repente o gavião de Yokaze canta no meio do céu. Era o sinal...


Autor: Keishiru
Editor: Fê
Supervisão: Kayo
Arte: Takehiko ; Eiji